O que é Cloud-First, Cloud-Only?

outubro 4, 2016

Já vimos aqui que, de acordo com o Gartner, até 2020 a não utilização de soluções em nuvem será tão rara como não utilizar/precisar da internet nos dias atuais. As tendências de Cloud-First e Cloud-Only crescem mais rápido do que imaginamos.

A nuvem é o caminho

“A nuvem será cada vez mais adotada como opção padrão para a implantação de um software. O mesmo é verdadeiro para o software customizado, que cada vez mais é projetado para alguma variação de nuvem pública ou privada”, afirmou Jeffrey Mann, vice-presidente de pesquisas do Gartner.

Nem tudo será baseado em soluções em nuvem, já que ainda existe um certo receio com segurança de dados em alguns casos. Mas, é verdade também que devemos repensar na próxima geração de ameaças, como já discutimos aqui no blog e nos prepararmos para o futuro. No entanto, a não utilização de pelo menos uma solução em nuvem será quase inexistente. A nuvem é comumente utilizada de forma híbrida e isso exige que a nuvem pública faça parte da estratégia da organização.

O mais interessante é que pela previsão, até 2019 mais de 30% dos novos investimentos em software realizados pelos 100 maiores fornecedores terá mudado de Cloud-First para Cloud-Only.

Cloud-First, Cloud-Only

O termo Cloud-First nos remete ao verdadeiro significado de que a nuvem virá em primeiro lugar em uma estratégia ampla para as equipes de TI pensarem e se prepararem, na qual a maioria dos tipos de software já é desenvolvida na nuvem. E, até 2020, mais poder computacional terá sido vendido pelos grandes provedores de nuvem (IaaS e PaaS) do que tecnologias vendidas e implementadas nos datacenters corporativos. Isso quer dizer que então, o Cloud-Only também está próximo, quando tudo será baseado em nuvem. Este cenário é real, pode-se observá-lo em diversas iniciativas de Startups de tecnologia e empresas que se propõe a renovar seu modelo de negócio.

O mercado de Infraestrutura como Serviço (IaaS) demonstrou um crescimento de 40% de receita por ano desde 2011 e a previsão é de que continue crescendo mais de 25% por ano até 2019. Daqui há 5 anos, a receita de computação IaaS e PaaS vai ultrapassar US$ 55 bilhões e provavelmente ultrapassará a receita de servidores físicos.

E você? Vai esperar a previsão acontecer ou já quer sair na frente e ser um usúario ativo da nuvem?

Referência: http://www.gartner.com/newsroom/id/3354117

cta-3_6_passos

Tiago Vieira

Autor

Tiago Vieira

Profissional da área de TI há mais de 15 anos com foco em infraestrutura de TI. Atualmente atua com foco em soluções de produtividade e infraestrutura em nuvem, tais como, Office 365, Azure e AWS. Linkedin

Deixa uma resposta