Sprint: como essa técnica vai deixar sua empresa mais ágil?

dezembro 19, 2017

O termo sprint, quando traduzido para o português, remete à ideia de arrancada — como um carro que se põe em movimento. No entanto, dentro do contexto empresarial, essa técnica consiste no desenvolvimento de um determinado projeto de maneira ágil e concisa.

É comumente utilizada na área de TI, na elaboração de novos tipos de software por exemplo. Entretanto, essa técnica não se restringe aos meios digitais: onde há uma equipe empenhada em trazer à existência algum projeto, a sprint pode ser realizada. Se interessou pelo assunto? Então, acompanhe este artigo e entenda como funciona esse método.

A reunião de planejamento

Para definir o que será desenvolvido no ciclo de uma sprint, é necessário que a equipe se reúna e chegue a um consenso sobre as principais metas a serem alcançadas naquele período de tempo.

O termo “product backlog” diz respeito a todas as necessidades que o projeto demanda, as quais devem ser postas em ordem de acordo com a sua prioridade. Durante a reunião, determina-se quais dessas instâncias ou histórias serão incluídas no ciclo — essas são chamadas de “sprint backlog“.

Cada história pode ser subdividida em tarefas para que haja um maior controle e operacionalidade sobre as demandas. Agora, é partir pra ação!

A execução da sprint

Sobre a fase do desenvolvimento é válido ressaltar alguns pontos-chave. São eles:

  • recomenda-se que tempo de uma sprint — ou “time-box” — seja de 2 a 4 semanas, e que uma sequência de seja de mesma duração;
  • reuniões diárias devem ser realizadas para o acompanhamento do processo. Perguntas como: “o que foi desenvolvido até agora?”, “quais estão sendo as maiores dificuldades?” e “o que se pretende desenvolver hoje?” devem ser respondidas;
  • sempre que houver algum impedimento na execução das tarefas, o líder da equipe — “sprint master” — deve se encarregar da solução.

Uma observação importante é que durante os ciclos, recomenda-se que não seja alterado o time-box e o sprint backlog.

O fim de um ciclo

Passado o período de uma sprint, a equipe se reúne com o “product owner” — parte interessada no produto final, ou seja, o cliente —, para que ele possa analisar as histórias que foram implementadas.

O product owner pode aprovar ou reprovar determinadas histórias de acordo com suas necessidades e visões do produto final. As reprovadas voltam para o product backlog para que sejam implementadas em outros ciclos de sprint.

Essa reunião de revisão serve para que a equipe e o cliente se entendam e entrem em sintonia, de forma com que o produto final atinja suas especificações.

Realiza-se a reunião de retrospectiva, composta pela equipe de desenvolvimento e pelo líder, a fim de explicitar o que aconteceu de positivo e negativo ao longo do processo. Dessa maneira, salienta-se o que foi feito de proveitoso e aperfeiçoa-se o que foi reprovado, aprimorando a equipe a cada ciclo.

Sprint e Scrum

Ao longo do texto, explicamos de maneira sucinta o que é o método sprint. No entanto, é importante ressaltar que esse procedimento pode ser considerado como o coração da metodologia Scrum.

O conjunto dos ciclos repetitivos e regulares, desde o início até o fim da elaboração de um projeto é o que chamamos Scrum.

Essa metodologia de desenvolvimento ágil e coordenado tem muito acrescentar no ramo empresarial. Se você gostou dessas informações, compartilhe este artigo em suas redes sociais para que mais pessoas possam entender a metodologia sprint e, quem sabe, implementá-la em seus negócios.

Equipe de Redação

Autor

Equipe de Redação

Deixa uma resposta