5 dicas para utilizar a tecnologia no gerenciamento de riscos

março 28, 2019

Gerenciar uma empresa pode ser um trabalho desafiador na maior parte do tempo, mas para conseguir fazê-lo sem erros e manter todas as atividades nos trilhos é preciso contar com um bom gerenciamento de riscos.

O gerenciamento de riscos é o processo de planejar, organizar e controlar os recursos, com o objetivo de minimizar danos para sua empresa ou fazer com que os riscos se tornem oportunidades.

E para que você saiba por onde começar, separamos abaixo as principais dicas para de como fazer seu gerenciamento de riscos, utilizando a tecnologia como sua aliada! Acompanhe.

1. Contar com o apoio de dados confiáveis para o gerenciamento de riscos

Para prevenir ou se proteger de um risco, é preciso antes conhecê-lo, e a tecnologia pode ser usada para ter uma visão exata do cenário da empresa e entender:

  • o que pode acontecer;
  • qual a probabilidade de acontecer; e
  • quais as possíveis consequências.

Se antes era difícil contar com dados e informações confiáveis, hoje a tecnologia permite coletá-los com mais agilidade e precisão. Ou seja, ela não auxilia você somente a otimizar processos burocráticos, mas também a montar o planejamento estratégico da empresa e prevenir riscos.

2. Garantir a segurança das informações sigilosas da empresa

A segurança da informação é uma das maiores preocupações das organizações na atualidade. O risco de vazamento de dados — ou da perda deles — aumenta com o crescente número de ameaças e da dependência do uso de servidores para suportar a enorme quantidade de informação gerada.

Armazenar dados em um servidor local, que requer uma equipe especializada para ser operado e realizar manutenções, pode parecer a opção mais segura, mas a verdade é que a nuvem foi criada justamente para dar mais estabilidade e proteção às informações da empresa.

Na nuvem, o processo de backup é feito automaticamente, ou seja, você não correrá risco de perder dados cruciais por causa de uma falha de hardware ou falta de energia. Todas as informações são distribuídas em diversos servidores, de forma que, se um falhar, você poderá acessá-las por outra maneira.

3. Possuir ferramentas para monitoramento das atividades em tempo real

Com a competitividade comercial cada vez mais acirrada, aumenta-se a exigência por processos móveis e ágeis. Isso significa conseguir não só monitorar sua empresa de qualquer lugar, como também em tempo real.

Hoje, isso é possibilitado pela computação em nuvem e pelo uso de soluções de software que acompanham tudo que acontece na empresa e carregam na cloud os dados, para que você os acesse a qualquer momento. No caso de um problema, por exemplo, isso diminui consideravelmente o tempo de resposta e, portanto, os prejuízos causados.

4. Ter um plano de recuperação de desastres

Organizações de todos os tipos dependem do acesso imediato às suas informações. É por isso que planos de recuperação de dados são essenciais para garantir que informações críticas não sejam perdidas na eventualidade de um desastre.

Afinal, mesmo com um bom planejamento e com o uso das melhores ferramentas, estamos sujeitos à ocorrência de problemas, e é preciso estar preparado para essa eventualidade. Por isso, você deve se preocupar em possuir as licenças adequadas para a recuperação de desastres e, assim, evitar futuras dores de cabeça.

5. Definir uma política de segurança da informação

Por último, não adianta adquirir todos esses ativos tecnológicos para se proteger, sem possuir uma política de segurança da informação clara. É ela que vai orientar seus colaboradores a como utilizar os recursos da empresa de forma a protegê-la contra riscos, tais como o vazamento de informações sigilosas.

Agora que você já sabe como a tecnologia pode ser sua grande aliada no gerenciamento de riscos, que tal curtir nossa página no Facebook ou seguir nossos perfis no LinkedIn e Twitter para acompanhar de perto todas as nossas dicas e novidades?

Equipe de Redação

Autor

Equipe de Redação

Deixa uma resposta