Inovar ou inovar…

junho 12, 2017

Inserida em um contexto pós-industrial, a Era da Informação, ou Digitalização, oferece um conjunto de oportunidades e desafios de maneira simultânea e proporcional. Não basta obter apenas hegemonia capital.

Poderio econômico e infraestrutura sólida já não são definitivos para que uma empresa se mantenha forte e que continue viva no mercado. O diferencial hoje vem de gerações mais jovens e empreendedoras: a inovação. Quem não inovar, provavelmente, não irá sobreviver. A inovação poderá garantir que a sua empresa tenha perenidade…

E isto é formidável para a manutenção de um mercado saudável e competitivo. Essa inovação, que normalmente está relacionada a uma transformação, faz com que as empresas/pessoas nunca fiquem numa posição de “zona de conforto”. O fato de startups estarem desafiando e influenciando grandes organizações, como já foi publicado neste blog, é exemplo disso. E as grandes empresas também já começaram a se movimentarem na linha de questionar o “que sempre foi feito” e provocarem as suas pessoas a sempre saírem de suas zonas de conforto, normalmente identificando um (ou mais) pontos de dor – normalmente o estopim para qualquer processo de inovação. Um contexto que premia a criatividade e a inovação só tem a favorecer o usuário final, aquele que – por essência – deve ser beneficiado, o cliente.

Transformar-se é viver

Já dizia Darwin (1809-1882), em sua teoria da Evolução e Seleção Natural da Espécie, e também Lavoisier (1743-1794) com a famosa frase: “na Natureza Nada se Cria e nada se perde, tudo se transforma”. Ambas bem atuais para os dias de transformação que temos a oportunidade de vivenciar.

De acordo com um estudo do Instituto Gartner (saiba mais no infográfico abaixo), dentre a divisão de custos de uma empresa, a inovação fica com apenas 14% do orçamento, atrás da operacionalização (66%) e do aperfeiçoamento (20%). Ou seja, a mentalidade empresarial ainda prioriza efeitos a curto prazo a transformações graduais.

Muitas empresas estão conseguindo ter grandes sucessos em inovação, quando buscam otimizações em processos, naquilo que está orçado como operacionalização ou nos momentos de aperfeiçoamento. Normalmente, partindo de algo que seja identificado como uma dor/problema, ou mesmo copiando algo que funcionou muito bem em outro lugar.

Por que inovar?

Blackberry, Blockbuster, Kodak…você consegue ver um padrão? Todas elas pareciam intocáveis em certo momento de suas existências e, baseadas nisso, permaneciam estáticas. Por consequência dessa postura, nenhuma delas foi capaz de agir na hora em que grandes mudanças ocorreram. Hoje, não passam de fósseis de um passado pré-digital que já parece longínquo.

Não, inovar não é apenas fazer surgir novas ideias como em um passe de mágica. Inovar é posicionar-se no presente de maneira a estar pronto para as imprevisibilidades do futuro. É lógico que isso envolve planejamento, discussão, intensa reflexão, mas decisões sólidas geram resultados.

Inovar hoje, no ambiente empresarial, é sinônimo de perenidade.

As 10 mais inovadoras

Estas empresas que ficaram para trás por apostarem na hegemonia que mantinham em seus mercados, agora, que tal vermos casos opostos? Confira a lista da Fast Company com aqueles que encontraram as melhores estratégias tecnológicas para fazer suas empresas crescerem em 2016:

  1. Buzzfeed
  2. Facebook
  3. CVS
  4. Uber
  5. Netflix
  6. Amazon
  7. Apple
  8. Google
  9. Black Lives Matter
  10. Taco Bell

Agora, pense bem, com quantos desses você interagiu através de seu celular, notebook ou tablet na última semana? Viu só? Empresas inovadoras ganham pontos ao entrarem no cotidiano ultra digitalizado dos consumidores atuais. Ora, com a Internet das Coisas, estamos sempre conectados. Cabe ao empreendedor analisar como a empresa pode crescer nesse contexto de acordo com as suas características e as necessidades de seu cliente! Estar atento as dores de seu negócio e também ligado nas dores do negócio de seus clientes sempre ajuda a identificar oportunidades de inovação.

Veja bem, como inovação pode sim ser sinônimo de simplicidade. O Buzzfeed, uma plataforma de conteúdo em texto e imagem, foi a empresa mais inovadoras de 2016. A rede social de compartilhamento de textos foi prolífica na viralização de matérias em diferentes tons (reviews, humor, memes, listas, artigos) e soube se valer das redes sociais para difundir seu conteúdo. Ou seja, não houve “mágica”, apenas a adoção de uma postura adequada.

Brasil está no jogo

Ao analisar a lista das 10 mais inovadoras do Brasil, coletada pelo Jornal Valor Econômico, nota-se uma ligeira diferença de perfil em relação ao ranking internacional. Mas, antes de citar essa disparidade, olhe pelos seus próprios olhos:

  1. Embraer
  2. 3M Brasil
  3. Natura
  4. Whirlpool
  5. Itaú Unibanco
  6. Grupo Boticário
  7. WEG
  8. Bradesco
  9. Embraco
  10. AmBev

Enquanto na lista internacional constam muitos serviços exclusivos a acesso online (Netflix, Amazon, Uber), no contexto brasileiro a inovação está associada a empresas do ramo de serviços e/ou gigantes de seus nichos comerciais, como Natura, Boticário e AmBev.

Normalmente, existem as inovações transformadoras (ou até mesmo disruptivas) que transformam todo um negócio (exemplos como Aribnb, Uber e vários outros da primeira lista acima) e também as inovações simples, que servem para melhorar um processo, ou aplicar algo que já funcionou melhor em outra área ou empresa – essas são minhas preferidas e podem ser feitas a qualquer momento e em qualquer lugar. Importante aqui, para o empreendedor, é criar um ambiente que seja propício para que essa inovação aconteça. Existem hoje várias ações que podem ser feitas para apoiar na criação e manutenção desse ambiente como: escutar as pessoas com sinceridade e interesse genuíno, apoiar novas ideias, Hackatons, Dia da Inovação e outros. Com certeza, as 10 empresas brasileiras mais inovadoras estão atentas a todas essas possibilidades!

O contexto difícil pelo qual passa o nosso país deve servir como catalisador para o surgimento de novas ideias. E a tecnologia está aí para nos ajudar a atingir esse objetivo. O foco sempre deve estar direcionado a buscar otimizações, melhorias e transformações naquilo onde já funciona e também estar atento ao mercado para aprender o que está legal do lado de fora que poderá ser trazido para dentro de sua empresa.

Veja o caso da Noruega, que, com olhos no futuro, vem investindo pesado em inovação por meio da agênciaInnovation Norway, que investe anualmente 1,3 bilhão de reais em soluções digitais e sustentabilidade. Não é por acaso que o país é considerado pela ONU como um dos melhores do mundo para se viver.

E você, de que lado se encontra atualmente, do lado dos inovadores ou daqueles que ainda se encontram presos ao passado? Crie ambientes, imagine, reflita, busque o apoio de profissionais especializados, alinhe a aplicação tecnológica que irá posicionar sua empresa no futuro e, principalmente, escute com sinceridade e com interesse genuíno as pessoas que trabalham com você. Saiba de suas dores, dificuldades e tente identificar aquilo que, na visão dessas pessoas, poderá ser melhorado em sua empresa. Além de apoiar as novas ideias, criando realmente um ambiente que propicie a inovação!

Equipe de Redação

Autor

Equipe de Redação

Deixa uma resposta